BICUDOS DO CERRADO

Marcadores genéticos como subsídio para reintrodução de Sporophila maximiliani na Região de Cerrado no estado de Goiás

Projeto vai estudar a diversidade genética e viabilidade de reintrodução do bicudo, ave do Cerrado Criticamente ameaçada de extinção.

Em face da crise mundial da biodiversidade, com taxas alarmantes de extinção de espécies, as reintroduções se tornaram ferramentas importantes para a conservação e restauração das populações de espécies ameaçadas (GEDIR et al., 2004). A proposta tem por objetivo reabilitar para reintroduzir em áreas de ocorrência natural “bicudos” (Sporophila maximiliani), ave criticamente ameaçada de extinção.

Para tanto, serão avaliados indivíduos de criadores que se adequam ao perfil traçado, utilizando para tal de análises genéticas, exames laboratoriais e estudos comportamentais, com base no método de soltura soft release e monitoramento pós– soltura em locais protegidos do Cerrado.

O Cerrado é considerado um dos 25 hotspots mundiais da biodiversidade, e ações de conservação governamentais das aves ali residentes encontram­-se balizadas pelo Plano de Ação Nacional das Aves do Cerrado e Pantanal. Grande parte do conhecimento que temos sobre a espécie é anedótico do cativeiro.

Originalmente o “bicudo” habitava desde vegetações arbustivas em ambientes abertos a brejos e banhados, podendo ser considerada espécie fortemente ligada a ambientes próximos à corpos d’água. Aceita habitats mais alterados (como plantações de arroz), por este motivo, a alteração dos ambientes em que vivia é pouco relevante como explicação para seu declínio.Espécie muito rara ou incomum em grande parte de sua distribuição, a reintrodução da espécie não é somente necessária, mas urgente.

Pretende-­se estabelecer uma população viável em área de ocorrência original da espécie ameaçada de extinção e esperamos que os serviços ambientais prestados pela espécie (disseminação de sementes, estabelecimento de território com efeitos na distribuição das outras espécies) e os efeitos da reintrodução além dos efeitos espécie ­específicos (aumento da fiscalização das áreas de soltura), tragam resultados positivos para a conservação.

Além disso, pretende-­se disponibilizar marcadores moleculares que serão úteis para a definição da origem geográfica dos animais apreendidos, bem como outras características importantes para o monitoramento e fiscalização da espécie S. maximiliani pelo IBAMA e outros órgãos de fiscalização. Este será um primeiro passo para restabelecer populações naturais para esta espécie que foi fortemente afetada pela pressão humana, conquanto gerando conhecimento genético para manejo para outros biomas onde ocorre.

Financiamento

Fundação o Boticário (Projeto número: 1085_20162).